31/07/2014

Como combinar o cinza com outras cores

Dizem que o cinza é o novo preto, mas a sua versatilidade garante-lhe um espaço muito próprio no mundo da decoração. Com uma intensidade que vai desde os tons mais dramáticos, aos tons mais suaves, quase pastéis, o cinza é, no fundo, uma cor neutra, passível de ser combinada com muitas outras cores.  
Decoração sala

Com branco


Juntos, o branco e o cinza parecem simbolizar o estilo minimalista, mas podem ir muito além disso. São a dupla perfeita para conseguir um ambiente clean e equilibrado, onde se quer dar o protagonismo a qualquer elemento decorativo especial – neste caso a parede de tijolos – ou simplesmente aproveitar a luminosidade natural que se acaba por criar e potenciar.

Com preto


Diferentes, mais iguais, a junção do cinza e do preto é dramático, clássico, glamoroso, contemporâneo, trendy ou descontraído – no fundo pode ser aquilo que quiser. Se tiver receio do visual ficar demasiado escuro, basta escolher uma tonalidade mais clara do cinza: o interesse mantém-se e o ambiente fica menos “pesado”.

Com amarelo


Combinar um cinza-acastanhado com amarelo, é igual a tornar qualquer espaço ainda mais aconchegante. Por outro lado, e se procura um look mais moderno e arrojado, experimente misturar um cinza total com um amarelo vivo, para uma decoração muitotrendy

Com laranja


Juntar o cinza e o laranja na mesma divisão pode parecer uma dupla decorativa pouco improvável, mas esta imagem expressa o contrário. Suave e dinâmico ao mesmo tempo, esta combinação de cores ganha vida, sem perder classe.

Com vermelho


Como ambos o cinza e o vermelho são cores fortes e sólidas, a sua utilização conjunta pode ser equilibrada com a escolha de uma tonalidade mais intensa e outra mais suave – neste caso optou-se por dar o destaque à cómoda, pintando as paredes com um cinza muito suave. No entanto, se quiser arriscar com uma decoração mais audaz, não há nada como juntar tons escuros de cinza e de vermelho para um look dramático e sofisticado.

Com lilás



Romântico e feminino, juntar o lilás ao cinza é manter ainda um toque de masculinidade, que resulta num equilíbrio perfeito, que tanto ele como ela podem apreciar. Em tons mais escuros ou mais suaves, o resultado é sempre agradável ao olhar.

Com cor-de-rosa


Corajoso e divertido, misturar cor-de-rosa e cinza é criar um espírito jovem e até um pouco irreverente – esta dupla confere presença ao espaço, tornando-o inesquecível. No entanto, se esta opção se revelar demasiada arrojada, basta “baixar o volume” em ambas as cores, criando um ambiente soft e até romântico, com cinza e rosa em tons pastel.

Com azul


Para um look muito fresco e cool, não há que enganar: cinza e azul. Sofisticado e envolvente, o espaço não deixa de ser convidativo, muito pelo contrário, o que deve ter alguma coisa a ver com o facto de ambas as cores despertarem sensações de calma e tranquilidade. Uma paleta de cores perfeita para uma casa de Verão, por exemplo.

Com castanho


Enquanto cor neutra, o cinza demonstra enorme versatilidade, sem nunca passar despercebido. Com o castanho, seja ele em que tom for – desde o mais escuro ao mais claro, o cinza acompanha na perfeição, sendo mesmo ideal no que toca a fazer sobressair a beleza do castanho.

Com verde


Fresco e energizante. É assim que se pode descrever o resultado produzido pela dupla cinza e verde. Sofisticado, rústico, contemporâneo ou retro, resulta com todos os estilos, bastando para isso acertar as tonalidades. Uma boa alternativa ao amarelo ou laranja.

24/07/2014

Paisagismo e o Feng Shui



Para equilibrar as energias do jardim, a paisagista e terapeuta ambiental Marizeth Estrela aplica o feng shui, técnica chinesa de harmonização que usa o ba-guá (figura acima) para identificar as áreas de interesses da vida e escolher as plantas adequadas. Segue abaixo as plantas que podem ser empregadas em cada área da casa, de acordo com o Feng Shui:

1. Trabalho: espécies de formas sinuosas, como a moréia-branca e a grama-preta. 

Moréia branca

Grama preta

2. Espiritualidade: tons de lilás e espécies floridas, a exemplo dos manacás. 

Manacá

3. Família: plantas de tradição, que trazem boas lembranças, neste caso, a orquídea. 

Orquídeas

4. Prosperidade: tipos pendentes, como dinheiro-em-penca, e nuances de púrpura. 

Dinheiro em penca

5. Sucesso: vermelho, amarelo e plantas como a bromélia. 

Bromélias

6. Relacionamento: tons de vermelho, rosa e branco e plantas que estimulam o romantismo: impatiens e hibisco. 

Impatiens

Hibisco

7. Criatividade: espécies de formas arredondadas, como o buxinho e a fênix. 

Fênix ou Cyca

Buxinho

8. Amigos: cores vibrantes, como laranja e amarelo. Vale plantar ipês e lantanas. 

Ipê amarelo

Lantanas

9. Saúde: tons terrosos, margaridas e orquídeas.

Margaridas

E aí, que tal harmonizar a sua casa com plantas?

Casa sendo aplicado o Ba-guá.


BeiJUcas! :*

*** Casa

23/07/2014

Mais 3 dicas de móveis feitos com pallets reaproveitados


Já demos muitas sugestões de artesanatos feitos com pallets reaproveitados. Essa matéria-prima, que é constantemente descartada pela indústria, é muito versátil e pode ser transformada em diversos objetos, principalmente mobílias.
Se você ainda duvida que este material pode render móveis elegantes, veja abaixo três ideias feitas por Bianca Barreto e Sueli Pacci, do site Madame Criativa.

1. Sofá de pallets
Para fazer um sofá grande e confortável, as artistas utilizaram três pallets. Para revitalizá-los, é preciso primeiro lixar e depois pintar as peças. Além disso, não existe muito segredo. Escolha as almofadas e a disposição mais adequada para o espaço que você tem disponível.
Clique aqui para ver o passo a passo completo.


2. Mesa de pallet
Se o sofá já estava fácil, esta mesa é ainda mais. A diferença é que para fazer esta mesa é necessário ter um pouco mais de habilidade com as ferramentas básicas. Normalmente os pallets são como estrados de cama, com as madeiras separadas umas das outras. Este é o primeiro cuidado ao fazer a mesa. Escolha um dos lados do pallet e use tábuas da parte inferior ou excedentes de outro pallet para fechar esses vãos. Feito isso e com a madeira devidamente lixada e pintada, instale rodinhas para facilitarem a movimentação da mesa.
Clique aqui e veja o passo a passo completo.


3. Banco de pallet
Para colocar esta ideia em prática, o primeiro passo é decidir a profundidade do banco. Feito isso, meça a mesma distância em todos os pallets, corte-os igualmente e empilhe-os até chegar à altura desejada. Para finalizar utilize almofadas na espessura desejada.
Clique aqui para ver o passo a passo completo e atente à dica sobre a fixação da madeira.


Gostou?
BeiJUcas!;*

*** Redação CicloVivo

22/07/2014

5 passos para construir um sistema hidropônico

Hidroponia geralmente significa o cultivo de plantas em água sem o uso de solo. Quando este fenômeno era novidade, era um pouco mais complicado e acabava sendo “confinado” às pessoas experientes, que sabiam sobre jardinagem e tinham conhecimento técnico.
Mas agora, com o avanço no campo tecnológico o cenário mudou completamente e é possível que todos possam criar um sistema de hidroponia a partir do zero, isso também com poucas despesas. Não é necessário ser um técnico para construir este sistema. Se você for capaz de inserir um tubo em uma bomba de água e fixar em um reservatório, o sistema hidropônico poderá ser criado facilmente.
Com informações do site Ecofriend, o CicloVivo separou cinco passos para construir um sistema hidropônico:

Foto: Ecofriend
1. Arranjo
Esta é a parte essencial do procedimento e não é muito difícil ou complicado. Primeiramente é preciso decidir as espécies de plantas a serem cultivadas. O projeto será definido com base nesta escolha. O sistema deve ser executado de acordo com a exigência de cada espécie de planta.
Para as plantas que dependem de água abundante, sistemas hidropônicos de fluxo e refluxo são considerados melhores, enquanto para outros, o sofisticado sistema de gotejamento é recomendado. Uma vez decidido o que será cultivado, é recomendável que se faça uma pesquisa para verificar qual é o sistema mais adequado à sua escolha. Quando isso for resolvido, compre as plantas. Na internet podem ser encontrados alguns sites que oferecem planos de hidroponia gratuitos.

2. Elementos constitutivos
Estes podem ser encomendados online ou comprados em lojas especializadas. Eles formam uma parte importante do sistema. Diversos sites na internet oferecem listas de componentes, além de guia sobre como criar um sistema hidropônico a partir do zero.
Depois de saber quais componentes são necessários, é hora de comprá-los.  Escolha os componentes exatos que estão citados na lista. Nunca tente coisas similares. Uma simples mudança pode alterar o funcionamento do seu sistema. Lembre-se que os itens da lista são escolhidos por pessoas especializadas com base no melhor para o sistema.

3. Construção do sistema
Depois das compras, é hora de começar a construir o sistema. Tente construir um que possa durar bastante tempo.
Há certas coisas que você deve saber nesta fase. Procure pelas dimensões, equilíbrio e ângulos corretos. Comece colocando as peças maiores, como um recipiente de nutrientes em um lugar seguro, onde ele permanecerá em equilíbrio. Depois, anexe as bandejas de acordo com a exigência do seu sistema hidropônico. Certifique-se que esteja usando equipamentos de apoio, se sentir que o tabuleiro não está em equilíbrio e seguro para permanecer constante para o recipiente.

4. Não ignore os pequenos detalhes
Muitas vezes, um sistema perfeitamente hidropônico pode ser arruinado por ignorar pequenas coisas. Algumas delas podem passar despercebidas quando se está construindo um sistema. Portanto, é melhor e recomendável fazer uma verificação final e completa quando a fase de construção do seu sistema hidropônico acabar. É melhor examinar os acessórios como tubos soltos, bombas não funcionais, tubos de ar e sistema de drenagem sem limites pelo menos uma vez. No caso de suspensão do sistema que estão sendo usados??, verifique se estão bem e devidamente montados.

5. Diversos
Isto é tudo o que um sistema hidropônico pode oferecer a uma planta: oxigenação e nutrientes, mas um vegetal geralmente requer mais do que isso. É também exigida uma boa temperatura, umidade e luz solar para que a planta cresça bem.
Componentes extras, como umidificadores, luzes hidropônicas, sistemas de refrigeração e assim por diante, não são partes de um sistema hidropônico, como procedimento. A adição destes componentes ao sistema não só é muito necessária, mas benéfica também.

*** Redação CicloVivo

12 passos para começar uma horta comunitária

A popularidade das hortas comunitárias só cresce a cada dia. O CicloVivo já noticiou diversos exemplos espalhados pelo Brasil e pelo mundo. Se você deseja iniciar um desses projetos em seu bairro ou cidade, mas ainda não sabe como começar, nós separamos os 12 primeiros passos para tirar a ideia do papel e torna-la realidade. As dicas foram publicadas no site TreeHugger e dadas por Elizabeth Johnson, uma canadense que transformou uma área industrial de Ontário em uma famosa horta que conta com a participação de 15 famílias.

1. Comece a falar sobre uma horta comunitária
Antes de plantar a semente, plante a ideia. Converse com pessoas de sua comunidade e fale sobre os benefícios e todas as vantagens que uma horta comunitária pode trazer. Deixe que eles percebam a sua vontade em fazer acontecer e sejam contagiados por isso.

2. Encontre o espaço ideal
Em grandes cidades as áreas livres estão cada vez mais escassas. Mas, se for possível analise as opções e escolha a melhor. O terreno ideal é plano e ensolarado. O solo não precisa ser perfeito, pois ele pode ser substituído por terra nova sem a necessidade de grandes alterações ou investimentos.

3. Pesquise se existe algum tipo de subsídio na sua região
Algumas prefeituras disponibilizam sementes, ferramentas e até instrutores para ensinarem as primeiras técnicas. Existem também ONGs e coletivos que ajudam os novos agricultores. Pesquise e aproveite os benefícios que essas trocas podem gerar.

4. Tenha camas individuais
Dessa forma, cada família ou pessoa é responsável por seu próprio cultivo. No entanto, deixe as sementes e as áreas de plantio de ervas disponíveis para todos os participantes.

5. Inicie um sistema de compostagem
Um sistema simples é a composteira caseira ou minhocário. Ela pode ser feita pelos próprios participantes. O adubo produzido por este sistema é usado na plantação e substitui os fertilizantes industriais. Clique aqui e saiba como fabricar o seu próprio minhocário.

6. Dê liberdade aos participantes
Cada pessoa pode escolher o que será plantado no seu espaço. Além disso, é legal incentivar os participantes a criarem suas próprias mudas para que possam trocar uns com os outros e ter mais variedade no plantio.

7. Faça uma cerca
A restrição não deve ser feita para impedir a entrada da comunidade, visitantes ou tornar a horta um espaço segregado. A cerca é uma opção apenas para manter animais domésticos, como cães e gatos, longe do plantio. Essa medida deve preservar a plantação e evitar estragos no solo.

8. Tenha regras
Em hortas comunitárias é ideal ter um planejamento. Escalas que determinam dias e horários dos responsáveis pela rega das plantas, por exemplo, é algo essencial. Isso evita que o local receba água de mais ou de menos. Mutirões de plantio e limpeza também são sempre bem-vindos.

9. Pode ser necessário a criação de um conselho informal
Em alguns casos é necessário que haja uma liderança que ajude a manter a horta sob-controle e esteja apto e disposto a resolver atritos, receber sugestões e criar novas soluções para elevar a qualidade da horta urbana.

10. Convide pessoas experientes para conversar com a comunidade
Receber bons conselhos e trocar experiências é essencial para manter o grupo unido e melhorar o plantio. Além disso, a participação de palestrantes tente a incentivar ainda mais a comunidade.

11. Torne o seu espaço atraente
Isso também inspira muito a comunidade e atrai novos participantes. Afinal, quem não gosta de estar um local agradável?

12. Compartilhar refeições comunitárias no jardim
Este é um jeito especial de comemorar a colheita, os árduos meses de trabalho. Além disso, é sempre gostoso dividir uma refeição com a família e os amigos.

*** Redação CicloVivo

21/07/2014

Como cuidar e limpar seus tapetes


Com a chegada do frio, os tapetes passam de parte da decoração a peças-chave nos ambientes da casa. E quanto mais felpudos, mais convidativo fica o espaço. Mas mantê-los limpos, cheirosos e com as cores vivas não é assim tão simples: se a manutenção no dia a dia exige cuidados comuns, quando é necessário tirar manchas, umidade ou fazer uma lavagem completa, o ideal é recorrer a um especialista.


Existem muitos métodos para limpeza de tapetes. Porém é preciso cuidado na hora de higienizar este item, pois dependendo de seu material, este pode ser danificado definitivamente. As pessoas costumam esfregar os tapetes vigorosamente e usar vassouras e escovas com cerdas duras, com isso, os fios dos tapetes se desfazem. A contratação de um serviço de limpeza profissional é sempre a garantia de que nada de errado acontecerá com seu tapete, mas é possível economizar dinheiro e ter um pouco de satisfação pessoal fazendo a limpeza usando métodos e produtos que alguns especialistas mantêm como segredos bem guardados.



Os procedimentos secretos de limpeza de tapetes normalmente envolvem alguns utensílios domésticos de baixo custo, que são já utilizados para limpar a casa, e sem produtos químicos caros. Desvende a seguir estes quatro segredos:

1 – Esqueça os produtos de limpeza comerciais

Não há necessidade de correr para uma loja e comprar produtos caros específicos para limpeza de tapetes. A maioria das pessoas tem alguns elementos simples que podem limpar o tapete com extrema eficiência. O bicarbonato de sódio, o vinagre e o sabão líquido suave são exemplos de limpadores e desinfetantes de tapetes. Evitar usar produtos químicos para limpar o tapete ajuda tanto você – que vai economizar; sua família – que não vai sentir odores fortes; e o meio ambiente – pois é mais sustentável.

2 – Faça seu removedor de mancha

Com o tempo, os tapetes costumam desenvolver manchas. Adultos, crianças e animais de estimação contribuem para o tapete sujar. Felizmente, as manchas podem ser removidas com uma solução caseira que é feita da mistura de um litro de água fria com 1/4 de xícara de detergente líquido. Uma batedeira auxilia a misturar o conteúdo, pois ajuda a criar espuma. Para fazer a limpeza com a solução caseira, use uma escova macia e esfregue suavemente a espuma nas fibras do tapete manchado em movimento circular. Depois da retirada da mancha, a área deve ser limpa com um pano úmido e seca com um secador de cabelo.

3 – Vinagre é seu amigo

vinagre é um desinfetante natural e neutralizante. Ele pode ser usado para limpar uma série de superfícies, incluindo tapete. O vinagre pode matar os germes se desenvolvem entre as fibras do tapete, bem como neutralizar a acidez da urina de animais de estimação enquanto elimina os odores desagradáveis. Mantenha um borrifador limpo cheio de vinagre não diluído e use sempre que o seu animal de estimação fizer “número um” em seu tapete. Nestes casos, procure absorver o máximo de urina das fibras, pressionando o tapete com várias toalhas de papel, e, quando não houver mais urina por ser absorvida, pulverize vinagre e deixar secar.

4 – Lavagem a seco caseira

Para fazer a lavagem a seco caseira, misture partes iguais de amido de milho e bicarbonato de sódio. Adicione algumas especiarias ou folhas secas perfumadas, como canela, cravo e lavanda. Misture o conteúdo completamente e polvilhe o pó por todo o tapete. O amido de milho e o bicarbonato de sódio ajudarão a puxar a sujeira das fibras, enquanto os temperos e folhas preencherão o tapete com um aroma agradável. Depois de 30 minutos, remova o pó com aspirador.

Agora se você não tem paciência para este tipo de limpeza, e pode gastar um pouco a mais, opte por lavanderias especializadas.
E aí, gostaram das dicas? Espero ter ajudado.
BeiJUcas! ;*